amamentação
Carreira Maternidade

Amamentação e trabalho são incompatíveis?

No momento de regressar ao trabalho, muitas mães não conseguem conciliar amamentação e atividades profissionais. Ainda que possam usufruir das 2h de aleitação, a pressão, a falta de tempo e o stress podem prejudicar esta importante fonte de nutrição e laços emocionais.

Os dados da UNICEF registam um declínio significativo no número de mães a amamentar entre os 4 e os 6 meses de vida. Ainda que esta queda dos valores possa estar relacionado com outros factores (introdução da alimentação complementar, incapacidade de ultrapassar as dificuldades iniciais, falta de apoio…), podemos concluir que, em muitos casos, este hábito é interrompido pelo regresso ao trabalho.

Enquanto não temos, em Portugal, uma lei laboral que permita seguir as recomendações da Organização Mundial de Saúde (6 meses de amamentação em exclusivo), resta-nos tentar tornar o processo de extração de leite durante as horas de trabalho o mais eficaz e simples possível.

Partilhamos contigo algumas dicas para manter a amamentação após o regresso ao trabalho.

 

Como conjugar trabalho e amamentação

3 meses antes do regresso

Esta é a altura ideal para começares a armazenar leite. Investe numa bomba de qualidade (existem muitas no mercado). Normalmente, as elétricas são mais confortáveis, pois permitem desempenhar outra atividade enquanto se faz a recolha de leite. Para armazenar o leite, existem sacos ou caixas de refrigeração próprias, mas qualquer recipiente que possa ser esterilizado e fechado de forma hermética (e não tenha BPAs) pode ser usado.

A quantidade de leite e o tempo que demorará a ter um stock considerável depende de cada mãe e de cada bebé. Uma vez que irás continuar a retirar leite após o regresso ao trabalho, este stock servirá essencialmente para cobrir os primeiros dias.

 

1 mês antes do regresso

Antes de regressar ao trabalho, é importante encontrar o biberão ideal para o bebé. Se o bebé nunca bebeu o leite através de um biberão, poderá, numa fase inicial, rejeitar as tetinas. Por isso, é importante experimentar – várias tetinas, em várias alturas do dia, em várias ocasiões. Habitualmente, recomenda-se que seja outra pessoa a dar o biberão (pai, avós, tios…), uma vez que o bebé associa imediatamente a mãe à amamentação e isto pode causar-lhe confusão. O importante é que, no momento de experimentar o biberão, o bebé esteja confortável, bem-disposto e (ainda mais importante!) com fome, sem estar esfomeado. O truque é encontrar a janela de oportunidade em que ele já aceitará bem a comida, mas sem estar com tanta fome que fique ansioso e desconfortável.

 

2 semanas antes do regresso

Duas semanas antes de regressares ao trabalho, está na hora de planear. Tens a possibilidade de estar com o bebé na hora de almoço? Vais ter de tirar leite para manter a produção, reduzir o desconforto e manter os stocks?

Se pretendes usar a bomba de extração durante a hora de almoço (ou outra pausa que faças), assegura-te de que existe um local confortável e com privacidade para o fazer. Identifica um espaço, garante que este tem as condições necessárias (podes pedir a uma colega para verificar por ti) e comunica à direção ou chefia a tua intenção.

Não existe nenhuma lei que proteja a tua vontade de retirar leite durante a pausa do trabalho. O motivo prende-se essencialmente com a existência do artigo 47 que define a dispensa de 2 horas durante, pelo menos, o primeiro ano de vida da criança.

No entanto, nem sempre é possível usar a licença de aleitação para ir a casa (ou creche) a meio do dia. Assim, contamos que exista bom senso e respeito no momento de disponibilizar as condições necessárias para que a amamentação seja bem sucedida, durante o tempo que a mãe e o bebé pretenderem. A Microsoft Portugal, por exemplo, disponibiliza uma sala de amamentação nos seus novos escritórios.


Tens uma história de sucesso sobre amamentação e trabalho? Queremos conhecê-la! Envia para geral@dasnoveascinco.pt ou partilha no Facebook ou Instagram.